O Papel das StartUps como uma das principais agendas do futuro


Postado em 17 de maio de 2018

Como parte do meu trabalho aqui na Liga Ventures, converso todos os dias com executivos e líderes de grandes empresas cheios de boas e legítimas intenções e ávidos em desenvolver programas estruturados com startups. Muitos deles ainda não sabem direito o que esperar dessas relações, nem quais modelos de aproximação adotar, e, na maioria dos casos, têm muitas dúvidas em estabelecer o conjunto de benefícios que pretendem oferecer às startups em seus programas.

Houve um tempo, não muito distante, em que as grandes empresas acreditavam que a marca e reputação forjadas durante anos no mercado tradicional por si só seriam suficientes para que as startups formassem uma fila na porta e implorassem por um prato de comida para fazer negócio com elas.

Esse tempo passou. Hoje são as grandes empresas que têm ido a campo em busca de startups e inovações tecnológicas. E com uma infindável quantidade de programas que as grandes empresas têm criado para se relacionar com startups, uma obviedade vem à tona: quanto mais e melhores os benefícios oferecidos pelas grandes empresas, maiores as chances de atrair as melhores startups e maior a chance do seu programa ter sucesso. O que talvez não seja tão óbvio nesse caso é como o ecossistema percebe e compara os benefícios oferecidos e como isso pode determinar o estágio das startups que se interessarão pelo programa. Abaixo listo os benefícios mais comumentes oferecidos pelas grandes empresas para que startups participem dos seus programas:


Espaço e infraestrutura

Algumas empresas limitam o tempo de uso das instalações de acordo com a duração do programa (de 3 a 12 meses). Outras vinculam a permanência ao alcance de resultados previamente combinados.  Oferecer espaço pode ajudar a atrair startups em early stage, que ainda contam com um time pequeno, de no máximo 10 funcionários. Para as startups em estágio mais avançado e consequentemente com times maiores, esse benefício pode ser pouco relevante. Os empreendedores normalmente já estão instalados em um lugar próprio e não vão querer deslocar todo o time somente por um tempo limitado. Outro ponto importante é que há uma gama considerável de hubs de inovação no país oferecendo espaço a preços bem acessíveis ou até mesmo de graça para startups. O espaço passa a ser um diferencial se ali há muita circulação de empresas e agentes do ecossistema que permitam a startups fazer conexões e gerar negócios.

Dinheiro

Quem não quer dinheiro? As startups não são diferentes, mas esse benefício pode ser oferecido em montantes distintos e, claramente, com diferentes contrapartidas. Uma ajuda de custo pode ser oferecida para que os empreendedores de outras regiões se instalem e vivam na cidade. Costumamos chamar isto aqui na Liga de Survival Money, Normalmente engloba um valor suficiente para os founders dividirem um Airbnb e se alimentarem. Outra opção é apoiar a startup pagando por alguma parte do desenvolvimento do produto ou lote piloto. Esse tipo de apoio financeiro costuma ser mais frequente com startups de hardware, cujos custos de setup sempre são maiores. Há também a opção de investimento por troca de equity.  Esse modelo tem uma série de considerações.

Oportunidades de gerar negócios com sua empresa

Nossa experiência na Liga Ventures com 15 chamadas para programas corporativos e mais de 50 startups aceleradas comprovou que esse é o sonho de consumo das startups que desejam se engajar com grandes empresas. Parcerias comerciais, acesso aos canais de distribuição, co-desenvolvimento, pilotos ou a simples contratação dos serviços são formas de gerar negócios entre a sua empresa e as startups. No entanto, isso não pode ficar somente no discurso. É importante que a grande empresa se prepare para fazer negócio com as startups, engajando os executivos, criando fast-tracks e processos mais leves.

O importante é construir um mix interessante de benefícios para o estágio das startups que você está mirando!

Vamos presenciar um número cada vez maior de empresas criando iniciativas de engajamento com startups e é natural que, com isso, outros mecanismos para atrair as startups, além dos citados acima, sejam criados. Construir sua reputação junto ao ecossistema de startups entregando o que prometeu é o básico.

Clique Aqui para ler o texto completo.

Rogério Tamassia é CEO da Liga Ventures e especialista em Aceleração de Startups.