O Home Office está crescendo e não é só por causa da Reforma Trabalhista


Postado em 15 de maio de 2018

A reforma trabalhista trouxe à tona a discussão sobre a modalidade de home office, um formato de trabalho que há anos é adotado fora do Brasil com muito sucesso, mas aqui sempre enfrentou muitas objeções e receios, seja por desconhecimento quanto ao modelo, seja por um ambiente legal que desfavorecia inovações, especialmente no que diz respeito ao contexto da justiça trabalhista. Atualmente falar de home office tem sido muito mais fácil do que nos últimos anos, mas será que é devido somente à Reforma Trabalhista? Ela certamente trouxe o assunto à tona, mas há outras transformações em nossos hábitos como sociedade que influenciam muito a maneira como as pessoas têm encarado o trabalho hoje em dia.

O hábito de uso dos aplicativos de mobilidade urbana, aliado ao aumento do uso de bicicleta, estão fazendo com que as pessoas repensem seus paradigmas de transporte, de propriedade e até ambiente de trabalho. Cada vez mais vemos casais abrindo mão de terem dois carros para terem um só, pois se deram conta de que em muitos casos utilizar outros meios de transporte sai mais barato no final do ano que ter um carro a mais.

Atrelado à isso vem a tendência dos Coworkings, eles ajudaram as empresas à se darem conta: para que preciso ter tanto espaço disponível, se eu poderia reduzir meus custos de infraestrutura e ocupação e ao mesmo tempo oferecer uma alternativa de forma de trabalho que agrade boa parte de nossos colaboradores? Vemos muitas empresas que reduzem drasticamente o tamanho de seus escritórios e adotam home office para uma parcela significativa de sua equipe mas, estamos vendo também empresas tradicionais indo além: se instalam em Coworkings, não só por uma questão de custo, mas porque perceberam que ambientes como estes favorecem muito o contato e a inovação. Empresas tradicionais buscam inovar não só em seus produtos e serviços, mas também em maneiras diferentes de pensar, em dinâmicas de trabalho que façam com que seus times respirem ares diferentes e estejam mais próximas de startups e de ambientes que favoreçam a troca de experiências. Por outro lado, é claro que nem todos se encaixam neste ambiente, mas este caminho é uma opção a mais neste contexto de inovação.

O fato do transporte público estar cada vez mais concorrido, e com cada vez mais casos de assédio, faz com que o público feminino em especial valorize ainda mais a possibilidade de trabalhar de casa, não só pela segurança, mas também, quanto vale para uma mãe estar próxima de sua família e poder trocar 4 horas de trânsito por dia por tempo de qualidade com seus filhos? Só nessa conta elas ganham 60 dias a mais de qualidade de vida em um ano de home office!

A transformação digital das empresas também está fazendo com que elas reavaliem seus processos e encontrem maneiras diferentes de atuar com o uso da tecnologia mas, também com formas de atuação que nem eram consideradas anteriormente, elas estão mais abertas para discutir novos modelos e visões.

Outro fator que ajudou o contexto foi a lei das terceirizações, que ampliou a segurança jurídica para empresas que terceirizam algum de seus processos de negócios. Na Home Agent, que é uma empresa que terceiriza atendimento ao cliente 100% no formato em Home Office, ficou claro como evoluiu a maturidade destes assuntos ao longo do tempo. Quando iniciamos a empresa em 2011, elaboramos um processo de gestão que já estava em acordo com a lei trabalhista, quando apresentávamos a empresa as pessoas viam com muita surpresa perguntando “Mas como vocês conseguem?” apesar disso, poucas empresas tiveram a coragem de apostar neste modelo. Com o passar dos anos, fomos vendo que os comentários mudavam, “Nossa que legal isso, mas não funciona para a minha empresa” ou “o risco trabalhista é alto”. De um ano para cá mudou drasticamente a maneira como as pessoas encaram este tipo de proposta, agora vemos frases como “Nossa, isso é o futuro”, “Faz todo sentido”, “É muito melhor”. Nada como uma boa dose de perseverança!

Enfim,  passamos por uma transformação grande nos hábitos da sociedade e do ambiente de negócios e acreditamos que o Home Office tem um contexto muito favorável para sua adoção.

Fabio Boucinhas, CEO e Co-fundador da Home Agent